Divulgação/ Júlia Rangel

A psicóloga carioca Júlia Rangel cresceu no Leblon, de onde via, pela janela de casa, as comunidades do Pavão, Pavãozinho e Cantagalo, na Zona Sul do Rio de Janeiro. Foi na Rede Postinho, (OSC que promove saúde preventiva às mulheres, por meio de atendimento interdisciplinar e da orientação), que ela encontrou a oportunidade de fazer trabalho voluntário.

Com o objetivo de estimular e abranger a cultura do voluntariado de forma ampla, a ONG Parceiros Voluntários lança  o documentário “Só Juntos – Dá pra mudar. É só começar”, com estreia prevista para convidados no Dia Internacional da Mulher – 8 de março – no auditório do escritório TozziniFreire, em São Paulo, e depois seguirá uma programação de exibições nas próprias comunidades retratadas pelo filme e também em Porto Alegre. Brevemente estará disponível online para  exibição permanente e gratuita.  

Ao longo de 26 anos, as ações promovidas pela ONG Parceiros Voluntários (PV) mobilizaram mais de 650 mil pessoas, qualificaram mais de 21 mil lideranças sociais e beneficiaram mais de 8,8 milhões de pessoas.

Apesar do Brasil contar com uma cultura de voluntariado ativa e robusta (segundo pesquisa do Datafolha de 2021, o país conta com 57 milhões de voluntários), o potencial de impacto do voluntariado estende-se além do trabalho em si. Educação e conscientização da sociedade são fundamentais para dar suporte às ações voluntárias práticas, em direção a projetos longevos e sustentáveis.    

 “Só Juntos – Dá pra mudar. É só começar” 

O documentário de 58 minutos produzido pela Parceiro Voluntários tem direção de Juliano Ambrosini e traz as histórias de três lideranças de Organizações da Sociedade Civil baseadas no Rio de Janeiro, comunidade do Pavão, Pavãozinho e Cantagalo; em Osasco, São Paulo; e uma  comunidade no bairro do Bom Jesus, em Porto Alegre, todos revelando de forma natural e sensível as nuances e impactos do voluntariado. A pequena equipe deste documentário deu conta de uma  impecável produção para acompanhar cada um dos personagens por uma semana, trazendo ao público as histórias em formato de diário com testemunhos que emocionam pelo alcance das  ações transformadoras.

“Trabalhamos com uma narrativa atraente e intimista com o intuito de aproximar o público das nossas personagens. Nesse sentido, recorremos às técnicas das duas grandes escolas do documentário: o cinema direto e o cinema verdade”, conta Ambrosini.

“Dentre tantos exemplos inspiradores  ao longo destes 26 anos de atuação da PV, não foi fácil o processo de seleção. Por fim,identificamos pessoas que representam diferentes perfis e comunidades”, completa Daniel Santoro, presidente do Conselho de Administração da Parceiros Voluntários.

Para o superintendente da PV, José Alfredo Nahas, “com o documentário desejamos que outras pessoas despertem para uma atitude cidadã. Afinal, só juntos podemos construir um mundo melhor”.

Saiba mais: www.redepostinhodesaude.org.br | @redepostinhodesaúde

ASSISTA AQUI O TRAILER: https://youtu.be/v3dVJG_xM9I